Make your own free website on Tripod.com

Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Departamento de História

Ano Lectivo: 2007-2008

 

Cursos: Licenciatura em História

              Minor em História de Portugal

 

Cadeira: História de Portugal Moderno (sécs. XV – XVII)

 

Docente: João José Alves Dias (Prof. Doutor)

 

 

 

Bases Programáticas

 

 

1. Introdução

 

1.1. Conceitos dos termos "Moderno" e "Modernidade"

 

1.2. Periodização

 

 

2. Portugal na construção e afirmação da "modernidade" c.1475/80 – c.1680/1700

 

            2.1. Do feudalismo ao ouro do Brasil

 

                        2.1.1. Efeitos de longa duração

           

            2.2. Do feudalismo ao centralismo         

 

            2.2.1. Efeitos de média duração

            2.2.2. Efeitos de curta duração

 

            2.3. Da "Corte na Aldeia" ao ouro do Brasil

 

            2.3.1. Efeitos de média duração

            2.3.2. Efeitos de curta duração

 


História Moderna de Portugal I

Programa

 

1. Introdução "Haverá rasgões no espaço"[1]?

 

 

1.1. Conceitos dos termos "Moderno" e "Modernidade"

 

1.1.1.  O que diferencia, em Portugal, a "Modernidade" da "Medievalidade" e da "Contemporaneidade"

            1.1.2.  Onde acaba a "Medievalidade" e começa a "Modernidade" de Portugal

1.1.3.  Onde acaba a "Modernidade" e começa a "Contemporaneidade" de Portugal

 

 

1.2. Periodizações

           

            1.2.1.  Tendo por base as estruturas económicas e sociais

            1.2.2.  Tendo por base as estruturas institucionais e políticas

            1.2.3.  Tendo por base as estruturas culturais e mentais

            1.2.4.  Tendo por base a conjuntura

 

 

 

 

2. Portugal na construção e afirmação da "modernidade" –  "Primeiro um movimento e depois um assombro"[2].

 

            2.1. Do feudalismo ao ouro do Brasil – "A mão que ao Ocidente o véu rasgou"[3].

 

                        2.1.1. Efeitos de longa duração

 

                        2.1.1.1. Estruturas sociais e económicas

                                    2.1.1.1.1. População

                                    2.1.1.1.2. Propriedade

                                    2.1.1.1.3. Agricultura

                                    2.1.1.1.4. Comércio e Finanças

                                    2.1.1.1.5. Escravatura

 

                        2.1.1.2. Estruturas institucionais e políticas

                                    2.1.1.2.1. Estado

                                    2.1.1.2.2. Justiça

                                    2.1.1.2.3. Igreja

                                    2.1.1.2.4. Inquisição

 

                        2.1.1.3. Estruturas mentais e culturais

                                    2.1.1.3.1. Cultura e Universidade

                                    2.1.1.3.2. Imprensa

                       

                        2.1.1.4. Estruturas do quotidiano

                                    2.1.1.4.1. Alimentação

                                    2.1.1.4.2. Habitação

                                    2.1.1.4.3. Saúde e assistência

                                    2.1.1.4.4. Crença e superstição

                                    2.1.1.4.5. Divertimentos

 

2.2 Do feudalismo ao centralismo – "Outros haverão de ter o que houvermos de perder"[4]

 

2.2.1. Efeitos de média duração

 

                        2.2.1.1 Estruturas sociais e económicas

                                    2.2.1.1.1. Nobreza

                                    2.2.1.1.2. Clero

                                    2.2.1.1.3. Burguesia e Comércio

                                    2.2.1.1.4. Moeda

 

                        2.2.1.2. Estruturas institucionais e políticas

                                    2.2.1.2.1. Administração e Governação

                                    2.2.1.2.2. Cortes

 

                        2.2.1.3. Estruturas mentais e culturais

                                    2.2.1.3.1. Cultura "literária"

                                    2.2.1.3.2. Artes

 

                        2.2.1.4. Estruturas do quotidiano

                                    2.2.1.4.1. Modas de apresentação do corpo

                                                2.2.1.4.2. Etiquetas e comportamentos

 

                        2.2.2 Efeitos de curta duração

 

2.2.2.1 Conjuntura

            2.2.2.1.1. Da guerra à paz peninsular

            2.2.2.1.2. D. João II

            2.2.2.1.3. A nova dinastia - D. Manuel I

            2.2.2.1.4. D. João III

            2.2.2.1.5. As regências

            2.2.2.1.6. D. Sebastião

            2.2.2.1.7. O sonho Imperial

            2.2.2.1.8. D. Henrique e os Governadores

                        2.2.2.1.9. A crise dinástica

 

           


2.3. Da "Corte na Aldeia" ao ouro do Brasil – "Mais a minha alma atlântica se exalta"[5]

 

2.3.1. Efeitos de média duração

 

                        2.3.1.1. Estruturas sociais e económicas

                                    2.3.1.1.1. Nobreza e Clero

                                    2.3.1.1.2. Burguesia e Comércio

                                    2.3.1.1.3. Moeda

                                   

                        2.3.1.2. Estruturas institucionais e políticas

                                    2.3.1.2.1. Administração e Governação

                                    2.3.1.2.2. Cortes

 

                        2.3.1.3. Estruturas mentais e culturais

                                    2.3.1.3.1. Cultura "literária"

                                    2.3.1.3.2. Artes

 

                        2.3.1.4. Estruturas do quotidiano

                                    2.3.1.4.1. Modas de apresentação do corpo

                                    2.3.1.4.2. Etiquetas e comportamentos

 

 

                        2.3.2 Efeitos de curta duração

 

2.3.2.1. Conjuntura

                        2.3.2.1.01. Filipe II

                        2.3.2.1.02. D. António e o Sebastianismo

                        2.3.2.1.03. Filipe III

                        2.3.2.1.04. Filipe IV

2.3.2.1.05. A "crise" peninsular e a restauração da Independência

                        2.3.2.1.06. D. João IV

                        2.3.2.1.07. As guerras da Restauração

                        2.3.2.1.08. D. Afonso VI

                        2.3.2.1.09. A regência e a deposição do monarca

                        2.3.2.1.10. D. Pedro II

           

 


Bibliografia

 

Indispensáveis

Dias, João José Alves, Portugal do Renascimento à Crise Dinástica, coord. de..., vol. V da Nova História de Portugal, direcção de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, Lisboa, Presença, 1998.

MARQUES, A. H. de Oliveira, História de Portugal, 13.ª ed., 1.º e 2.º vol, Lisboa, Presença, 1997-1998.

                1.º vol : cap. IV – O Estado do Renascimento (pp. 265-349)

                2.º vol :  cap. VI – Apogeu e Declínio (pp. 97- 201)

DOMínguez ortiz, Antonio, Los Reys Católicos y los Austrias, vol. 3 da Historia de España, dir. de Miguel Artola, Madrid, Alianza Editorial, 1988.

 

Obras gerais de apoio

Aguado Bleye, Pedro, Manual de Historia de España, tomo II, Reys Católicos – Casa de Áustria (1474-1700), 11.ª ed., Madrid, Espasa-Calpe, S.A., 1974

Hespanha, António Manuel, O Antigo Regime (1620-1807), coord. de ...., vol. IV da História de Portugal, direcção de José Matoso, Lisboa, Circulo de Leitores / Estampa, 1993.

Hespanha, António Manuel, História de Portugal Moderno : político e institucional, Lisboa, Universidade Aberta, 1995.

História de España, dir. Ramón Menéndez Pidal, vol.s XX a XXVI, Madrid, Espasa Calpe, dif. datas.

Magalhães, Joaquim Romero, No Alvorecer da Modernidade (1480-1620), coord. de..., vol. III da História de Portugal, direcção de José Matoso, Lisboa, Circulo de Leitores / Estampa, 1993.

Marques, A. H. de Oliveira e João José Alves Dias, Atlas Histórico de Portugal e do Ul­tramar português, Lisboa, Centro de Estudos Históricos, Universidade Nova de Lisboa, 2003.

Meneses, Avelino de Freitas de (coord.), Portugal da paz da Restauração ao ouro do Brasil, vol. VII, Nova História de Portugal (dir. de Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques), Lisboa, Presença, 2001, 750 p.Saraiva, José Hermano, História de Portugal, direcção de..., vol. 4 e 5, Lisboa, Publicações Alfa, 1983.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo, História de Portugal, vols. III, IV, V, Lisboa, Verbo, 1978-1980.

Serrão, Joel, Dicionário de História de Portugal, direcção de..., [nova edição], 6 vols., Porto, Figueirinhas, [s.d.]

SOUSA, Ivo Carneiro de, História de Portugal Moderno : economia e sociedade, Lisboa, Universidade Aberta, 1996.

 

Colectâneas de textos

ANDRADE, A. A. Banha de, Antologia do pensamento politico português: século XVI, Vol.1: Periodo Joanino, textos coligidos por..., Lisboa, Instituto Superior de Ciências Sociais e Politico Ultramarina, 1965, Separata de Estudos politicos e sociais, III, 2-3 .

Cortes portuguesas: reinado de D. Manuel I / org. e rev. geral João José Alves Dias. - Lisboa : Univ. Nova. Centro de Estudos Históricos, 2001-. - v. ; 23 cm . - [1º v.] : Cortes de 1499. - 55 p.. - [2º v.] : Cortes de 1502. - 127 p.. - [3º v.] : Cortes de 1498. - 2002. - 662 p.

Garcia Mercadal, J., Viajes de Extranjeros por España y Portugal, tomo II, siglo XVII, recopilacion, traduccion, prologo y notas de ..., Madrid, Aguilar, 1959.

Guerreiro, Manuel Viegas e Joaquim Romero Magalhães, Duas descrições do Algarve do século XVI, apres., leitura, notas e glossário de..., Lisboa, Sá da Costa, 1983.

Relações de Pêro de Alcáçova Carneiro Conde da Idanha do Tempo que êle e seu pai, António Carneiro, serviram de secretários (1515 a 1568), revistas e anotadas por Ernesto de Campos de Andrada, Lisboa, Imprensa Nacional, 1937.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo, Viagens em Portugal de Manuel Severim de Faria: 1604-1609-1625, Lisboa, Academia Portuguesa da História, 1974.

 

Estudos específicos

ABREU, Laurinda, Memórias da Alma e do Corpo. A Misericórdia de Setúbal na Modernidade, Viseu, Palimage, 1999.

ALMEIDA, A. A. Marques de, Aritmética como Descrição do Real. Contributos para a Formação da Mentalidade Moderna em Portugal (1519-1679), 2 vols, Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1994.

----- , Capitais e Capitalistas no Comércio da Especiaria. O Eixo Lisboa – Antuérpia (1501-1549). Aproximação a um Estudo de Geofinança, Lisboa, Cosmos, 1993.

ALMEIDA, Ângela Mendes de, O Gosto do Pecado. Casamento e Sexualidade nos Manuais de Confessores dos séculos XVI e XVII, Lisboa, Rocco, 1994.

ALMEIDA, Fortunato de, História da Igreja em Portugal, nova edição preparada e dirigida por Damião Peres, vols II e III, Porto, Lisboa, Civilização, 1968-1970.

ALVES, Ana Maria, Iconologia do Poder Real no Período Manuelino. À Procura de uma Linguagem Perdida, [Lisboa], Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985.

AMARAL, Maria Valentina Cotta do, Privilégios de Mercadores Estrangeiros no Reinado de D. João III, Lisboa, Instituto de Alta Cultura, 1965.

Atanázio, Manuel Cardoso Mendes, Arquitectura do Manuelino. Novos Problemas de Espaço e Técnica, Moçâmedes, ed. do Autor, 1969.

AUBIN, Jean, “La Noblesse Titrée sous D. João III. Inflation ou Fermeture?”, Arquivos do Centro Cultural Português, vol. 26, Paris, 1989, pp. 417-432.

BETHENCOURT, Francisco, História das Inquisições. Portugal, Espanha e Itália, [s.l.], Temas e Debates, 1996.

----- , O Imaginário da Magia. Feiticeiras, saludadores e Nigromantes no século XVI, Lisboa, Projecto Universidade Aberta, 1987.

BOUZA ALVAREZ, Fernando, Imagen y Propaganda. Capítulos de Historia Cultural del Reinado de Felipe II, Madrid, Akal, 1998.

----- , Portugal en la Monarquia Hispanica (1580-1640). Felipe II, las Cortes de Tomar y la Génesis del Portugal Católico, 2 vols, Madrid, Universidad Complutensde, 1986-1987.

BRAGA, Isabel M. R. Mendes Drumond, Assistência, saúde pública e prática médica em Portugal: (séculos XV-XIX) / Isabel M. R. Mendes Drumond Braga. 1ª ed . - Lisboa : Universitária, 2001.

----- , Cooperação e conflito : Portugal, Castela e Aragão (séculos XV-XVI), Lisboa, Universitária Editora, 2002.

----- , Estrangeiros (Os) e a Inquisição Portuguesa (Séculos XVI-XVII), Lisboa, Hugin, 2002.

----- , Um Espaço, Duas Monarquias (Interrelações na Península Ibérica no Tempo de Carlos V), Lisboa, Centro de Estudos Históricos, Hugin, 2001.

BRAGA, Paulo Drumond, A Inquisição nos Açores, Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1997.

-----, D. João III, Lisboa : Hugin, 2002.

CAETANO, Marcelo, “Recepção e Execução dos Decretos do Concílio de Trento em Portugal”, Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol. 19, Lisboa, 1965, pp. 7-87.

COELHO, António Borges, Inquisição de Évora. Dos Primórdios a 1668, 2 vols, Lisboa, Caminho, 1987.

----- , Quadros para uma Viagem a Portugal no século XVI, Lisboa, Caminho, 1986.

----- , Tudo é Mercadoria. Sobre o Percurso e a Obra de João de Barros, Lisboa, Caminho, 1992.

COELHO, Maria Helena da Cruz; MAGALHAES, Joaquim Romero, O Poder Concelhio : das Origens às Cortes Constituintes. Notas de História Social, Coimbra, Centro de Estudos e Formação Autárquica, 1986.

CORTE REAL, Manuel Henrique, A Feitoria Portuguesa na Andaluzia. 1500-1532, Lisboa, Instituto de Alta Cultura, 1967.

CORTÉS CORTÉS, Fernando, Espionagem e Contra Espionagem numa Guerra Peninsular, (1640-1668), tradução de Manuel José Trindade Loureiro, Lisboa, Horizonte, 1989.

-----, Guerra e Pressão Militar nas Terras de Fronteira (1640-1668), tradução de Manuel José Trindade Loureiro, Lisboa, Horizonte, 1990.

Costa, Sousa, Dona Catarina Duquesa de Bragança : Rainha de Portugal à face do Direito, [Lisboa], Fundação da Casa de Bragança, 1958.

CRESPO, Jorge, A História do Corpo, Lisboa, Difel, 1990.

CRUZ, Maria do Rosário de Sampaio Themudo Barata de Azevedo, As Regências na Menoridade de D. Sebastião. Elementos para uma História Estrutural, 2 vols, [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992.

CUNHA, Ana Canas da, A Inquisição no Estado da Índia. Origens (1539-1560), Lisboa, Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, 1995.

CUNHA, Mafalda Soares da, A Casa de Bragança 1560-1640. Práticas Senhoriais e Redes Clientelares, Lisboa, Estampa, 2000.

CURTO, Diogo Ramada, O Discurso Político em Portugal (1600-1650), Lisboa, Projecto Universidade Aberta, 1988.

-----, “Ritos e Cerimónias da Monarquia em Portugal (Séculos XVI a XVIII)”, A Memória da Nação, orga­nização de Francisco Bethencourt  e Diogo Ramada Curto, Lisboa, Sá da Costa, 1989, pp. 201-265.

DIAS, João José Alves, Craesbeeck. Uma Dinastia de Impressores em Portugal. Elementos para o seu Estudo, Lisboa, Associação Portuguesa de Livreiros Alfarrabistas, 1986.

-----, Ensaios de História Moderna, Lisboa, Presença, 1988.

-----, Gentes e Espaços. Em Torno da População Portuguesa na Primeira Metade do século XVI, vol. I, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1996.

-----, No quinto centenário da Vita Christi: os primeiros impressores alemães em Portugal / Biblioteca Nacional, coord. de..., Lisboa, Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, 1995.

-----, “O tempo de Vasco da Gama : Um quotidiano em Mudança” / A Escola e os Descobrimentos Portugueses : No Tempo de D. Manuel I, Lisboa, Grupo de Trabalho do Ministério da Educação para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1999, p. 22-37.

DIAS, José Sebastião da Silva, A Política Cultural na Época de D. João III, vol. I, tomos I e II, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1969.

-----, A universidade na sua história : a propósito da ediçao dos estatutos de 1559,  Coimbra: Imprensa de Coimbra, 1964,  Sep. de Biblos, vol. XL

-----, Correntes do sentimento religioso em Portugal séc. XVI a XVIII, 1º Tomo, Coimbra, Inst. de Estudos Filosóficos, 1960

-----, Os descobrimentos e a problemática cultural do século XVI , Coimbra, Universidade, 1973.

----, Portugal e a cultura europeia: sécs. XVI a XVIII, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1953, Sep. Biblos, 28.

ENES, Maria Fernanda, Reforma Tridentina e Religião Vivida. Os Açores na Época Moderna, Ponta Delgada, Eurosigno, 1991.

ESPINOSA, Fernanda, "Sobre um suposto retrato de D. João II", in Escritos Históricos, Porto, Porto Editora, 1972, pp. 249-264

Espiritualidade e Corte em Portugal (séculos XVI a XVIII), Porto, Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 1993.

FERNANDES, Maria de Lurdes Correia, Espelhos, Cartas e Guias. Casamento e Espiritualidade na Península Ibérica. 1450-1700, Porto, Universidade do Porto, Faculdade de Letras, 1995.

FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, Manuel, Felipe II y su Tiempo, Madrid, Espasa Calpe, 1998.

FERREIRA, Ana Maria Pereira, Problemas Marítimos entre Portugal e a França na Primeira Metade do século XVI, Redondo, Patrimonia, 1995.

FERREIRA, Jaime Alberto do Couto, A Dessacralização do Pão. Políticas de Abastecimento no Antigo Regime: do Concelho ao Estado Iluminista, Porto, Campo das Letras, 1995.

FERRO, João Pedro, Arqueologia dos Hábitos Alimentares, Lisboa, Dom Quixote, 1996.

-----, Para a História da Administração Pública na Lisboa seiscentista: o Senado da Câmara (1671-1716) / pref. e introd. de A. H. de Oliveira Marques, Lisboa, Planeta, 1996.

FONSECA, Luís Adão da, O Tratado de Tordesilhas e a Diplomacia Luso-Castelhana no Século XV, Lisboa, INAPA, 1991.

GODINHO, Vitorino Magalhães, Ensaios II : sobre a História de Portugal, 2ª ed., Lisboa, Sá da Costa, 1978.

-----, Ensaios III : Sobre Teoria da História e Historiografia, Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1971

-----, A Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa, 3.ª edição, Lisboa, Arcádia, 1977.

-----, Mito e Mercadoria, Utopia e Prática de Navegar. Séculos XIII – XVIII, Lisboa, Difel, 1990.

Health Care and Poor Relief in Counter-Reformation Europe, direcção Ole Peter Grell, Andrew Cunningham e Jon Arrizabalaga, Londres e New York, Routledge, 1999.

HESPANHA, António Manuel, História das instituições: épocas medieval e moderna, Coimbra, Almedina, 1982.

-----, Poder e instituições na Europa do antigo regime / António Manuel Botelho Hespanha. - Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

-----, As Vésperas do Leviathan. Instituições e Poder Político. Portugal – século XVII, Coimbra, Almedina, 1994.

História da Universidade em Portugal, vol. I, tomos I e II, [Lisboa, Coimbra], Fundação Calouste Gulbenkian, Universidade de Coimbra, 1997.

Homem, Armando Luís de Carvalho, "Quando acaba a Idade Média? A periodização da História Institucional portuguesa dos séculos XV e XVI" / Turres Veteras II . Actas de História Moderna, Torres Vedras, Câmara Municipal, Instituto de Estudos Regionais e Municipalismo "Alexandre Herculano", 2000, pp. 9-19.

KAMEN, Henry, Felipe de España, tradução Patricia Escandón, Madrid, Siglo Veintiuno, 1997.

LIPINER, Elias, Os Baptizados em Pé. Estudos acerca da Origem e da Luta dos Cristãos-Novos em Portugal, Lisboa, Veja, 1998.

-----, Terror e Linguagem. Um Dicionário da Santa Inquisição, Lisboa, Contexto, 1999.

LOUREIRO, Francisco de Sales, D. Sebastião antes e depois de Alcácer-Quibir, Lisboa, Veja, 1978.

LOURENÇO, Maria Paula Marçal, A Casa e o Estado do Infantado. 1654-1706. Formas e Práticas Administrativas de um Património Senhorial, Lisboa, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1995.

-----, “O Domínio Senhorial da Casa das Rainhas (1642-1781): Património, Estado e Poder”, Amar, Sentir e Viver a História. Estudos de Homenagem a Joaquim Veríssimo Serrão, vol. 2, Lisboa, Colibri, 1995, pp. 985-1004.

MAGALHÃES, Joaquim Romero, O Algarve Económico. 1600-1773, Lisboa, Estampa, 1988.

-----, Para o Estudo do Algarve Económico durante o século XVI, Lisboa, Cosmos, 1970.

MARQUES, A. H. de Oliveira, Portugal Quinhentista. Ensaios, Lisboa, Quetzal, 1987.

MARQUES, João Francisco, “Os Jesuítas, Confessores da Corte Portuguesa na Época Barroca (1550-1700) ”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 12, Porto, 1995, pp. 231-270.

-----, A Parenética Portuguesa e a Dominação Filipina, Porto, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1986.

-----, A Parenética Portuguesa e a Restauração. 1640-1668. A Revolta e a Mentalidade, 2 vols, Porto, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1989.

MARTINS, José V. de Pina, Humanisme et Renaissance de l’ Italie au Portugal. Les Deux Regards de Janus, 2 vols, Lisboa, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

MEA, Elvira Cunha de Azevedo, A Inquisição de Coimbra no século XVI. A Instituição, os Homens e a Sociedade, Porto, Fundação Eng. António de Almeida, 1997.

MENDES, Isabel M. R., O Mosteiro de Guadalupe e Portugal. Séculos XIV-XVIII. Contri­bui­ção para o Estudo da Religiosidade Peninsular, Lisboa, Junta Nacional de Inves­tiga­ção Científica e Tecnológica, 1994.

MENDONÇA, Manuela, D. João II: um percurso humano e político nas origens da modernidade em Portugal, 2ª ed., Lisboa: Estampa, 1995.

1640 : La Monarquia Hispánica en Crisis, prólogo de Antonio Domínguez Ortiz, Barcelona, Crítica, 1992.

NASCIMENTO, Rui Manuel Bebiano, A Pena de Marte. Escrita de Guerra em Portugal e na Europa (séculos XVI-XVIII), Coimbra, Dissertação de Doutoramento apresentada à Facul­dade de Letras da Universidade de Coimbra, exemplar mimeografado, Coimbra, 1997.

OLIVEIRA, António de, Movimentos Sociais e Poder em Portugal no século XVII, Coimbra, Instituto de História Económica e Social, Faculdade de Letras, 2002, 758 p.

----- , Poder e Oposição Política em Portugal no Período Filipino (1580-1640), Lisboa, Difel, 1991.

-----, A Vida Económica e Social de Coimbra de 1537 a 1640, 2 vols, Coimbra, Universidade de Coimbra, 1971.

OLIVEIRA, Aurélio de, Mercados a norte do Douro: algumas considerações sobre a história dos preços em Portugal e a importância dos mercados regionais, séculos XVII-XVIII,  Porto, 1985, Sep. Revista da Faculdade de Letras - História, 2ª série, 2.

-----, Tibães (1630-1680: Estudo sócio-económico de uma Abadia Beneditina do Noroeste Português, Porto, A. Araújo, 1970.

OLIVEIRA, Julieta Teixeira Marques de, Veneza e Portugal no Século XVI. Subsídios para a sua História, 2 vols, Lisboa, Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, exemplar mimeografado, 1994.

Ordenações Manuelinas : Livros I a V: Reprodução em fac-símile da edição de Valentim Fernandes (Lisboa, 1512-1513), V livros, Lisboa, Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa, 2002.

PAIVA, José Pedro, Bruxaria e Superstição num País sem “Caça às Bruxas”. 1600-1774, Lisboa, Notícias, 1997.

-----, Práticas e Crenças Mágicas. O Medo e a Necessidade dos Mágicos na Diocese de Coimbra (1650-1740), Coimbra, Minerva, 1992.

PALLA, Maria José, Do Essencial e do Supérfluo. Estudo Lexical do Traje e Adornos em Gil Vicente, Lisboa, Estampa, 1992.

PEREIRA, Consiglieri Sá, A Restauração vista de Espanha. Histórias de Portugueses contadas por Espanhois, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1933.

PEREIRA, João Cordeiro, Para a História das Alfândegas em Portugal no Início do século XVI (Vila do Conde – Organização e Movimento), Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 1983.

-----, Portugal na Era de Quinhentos, Cascais, Patrimónia, 2003.

PIMENTEL, Maria do Rosário, Viagem ao Fundo das Consciências. A Escravatura na Época Moderna, Lisboa, Colibri, 1995.

RAU, Virgínia, Estudos sobre História Económica e Social do Antigo Regime, Lisboa, Presença, 1984.

RODRIGUES, Manuel Ferreira, MENDES, José M. Amado, História da Indústria Portuguesa. Da Idade Média aos nossos Dias, Mem Martins, Europa-América, Associação Industrial Portuense, 1999.

SANTOS, Cândido dos, Os Jerónimos em Portugal. Das Origens aos Fins do século XVII, Porto, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1980.

SARAIVA, António José, História da cultura em Portugal, 3 vols., Lisboa: Jornal do Fôro, 1950-1962.

----- e Óscar Lopes, História da literatura portuguesa, 16ª. ed., Porto, Porto Editora, [1992].

SAUNDERS, A. C. de C. M., História Social dos Escravos e Libertos Negros em Portugal (1441-1555), tradução do inglês, [Lisboa], Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1994.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo, Fontes de Direito para a história da sucessão de Portugal: 1958, Coimbra, [s.n.], 1960. Sep. Boletim de Direito, 35

----, O reinado de D. António Prior do Crato, Lisboa, ed. do autor, 1956

-----, O tempo dos Filipes em Portugal e no Brasil: 1580-1668, Lisboa, Colibri, 1994.

SILVA, Amélia Maria Polónia da, O Cardeal Infante D. Henrique, Arcebispo de Évora. Um Prelado no Limiar da Viragem Tridentina, Porto, Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica, exemplar mimeografado, 1989.

-----, “Recepção do Concílio de Trento em Portugal: as Normas Enviadas pelo Cardeal D. Henrique aos Bispos do Reino, em 1553”, Revista da Faculdade de Letras. História, 2.ª série, vol. 7, Porto, 1990, pp. 133-143.

SILVA, Ana Cristina Nogueira da, O Modelo Espacial do Estado Moderno. Reorganização Territorial em Portugal nos Finais do Antigo Regime, Lisboa, Estampa, 1998.

SILVA, Francisco Ribeiro da, “A Diplomacia Secreta de Filipe II em Portugal e os Mesteirais de Lisboa (1579-1580) ”, Estudos em Homenagem a Jorge Borges de Macedo, Lisboa, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1992, pp. 241-264.

----- , O Porto e o seu Termo. 1580-1640, Os Homens, as Instituições e o Poder, 2 vols, Porto, Câmara Municipal, Arquivo Histórico, 1988.

----- , “Venalidade e Hereditariedade dos Ofícios Públicos em Portugal nos Séculos XVI e XVII. Alguns Aspectos”, Revista de História, vol. 8, Porto, 1988, pp. 203-213.

SOARES, Nair de Nazaré Castro, O Príncipe Ideal no século XVI e a Obra de D. Jerónimo Osório, Coimbra, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1994.

SOUSA, Ivo Carneiro de, Da Descoberta da Misericórdia à Fundação das Misericórdias (1498-1525), Porto, Granito Editores, 1999.

TAVARES, Maria José Pimenta Ferro, Judaísmo e Inquisição. Estudos, Lisboa, Presença, 1987.

----- , Los Judíos en Portugal, tradução de Mario Merlino, Madrid, Mapfre, 1992.

TAVIM, José Alberto Rodrigues da Silva, Os Judeus na Expansão Portuguesa em Marrocos durante o século XVI. Origens e Actividade duma Comunidade, Braga, APPACDM Distrital de Braga, 1997.

Tempo (O) de Vasco da Gama, direcção de Diogo Ramada Curto, [Lisboa], Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, Comissariado para o Pavilhão de Portugal – Expo'98, Difel, 1998.

TINHORÃO, José Ramos, Os Negros em Portugal. Uma Presença Silenciosa, 2.ª edição, Lisboa, Caminho, 1997.

TORGAL, Luís Reis, Ideologia Política e Teoria do Estado na Restauração, 2 vols., Coimbra, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1982.

VALENSI, Lucette, Fábulas da Memória. A Gloriosa Batalha dos Três Reis, tradução de João Carlos Alvim e Fernando Tomaz, Porto, Asa, 1996.

VELOSO, José Maria de Queirós, Dom Sebastião: 1554-1578, 3ª ed., [S.l.: s.n.], 1945.

-----, A perda da Independência, vol. 1, O reinado do cardeal D. Henrique, [Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade], 1946.

VALLADARES, Rafael, Felipe IV y la Restauración de Portugal, Málaga, Algazara, 1994.

----- , La Rebellión de Portugal. Guerra, Conflicto y Poderes en la Monarquía Hispánica (1640-1680), [Valladolid], Junta de Castilla y León, 1998.

XAVIER, Ângela Barreto, El Rei aonde póde, & não aonde quer”. Razões da Política no Portugal Seiscentista, Lisboa, Colibri, Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa, 1998.



[1] Fernando Pessoa, Mensagem, III, III, 3

[2] Fernando Pessoa, Mensagem, II, 9.

[3] Fernando Pessoa, Mensagem, II, 7.

[4] Fernando Pessoa, Mensagem, II, 6.

[5] Fernando Pessoa, Mensagem, II, 11.